Linhaça e o câncer de mama

Liloripédia

Como esse é o mês do outubro rosa, nada melhor do que falarmos na Lilóripedia sobre a linhaça.

A linhaça (Linum usitatissimum) é uma sementinha muito poderosa, descoberta na região da Mesopotâmia e conhecida desde 5 mil anos a.C. As sementes podem ser marrons ou douradas, e o sabor da linhaça dourada costuma ser mais suave, quando comparado ao da linhaça marrom.

A linhaça marrom é geralmente cultivada em regiões de clima quente e úmido (como o Brasil), enquanto a dourada, em climas frios (como o norte dos Estados Unidos e Canadá).

Ambas são muito semelhantes em sua composição química: são ricas em vitamina E, vitaminas do complexo B e ômega 3, além de serem excelentes fontes de fibras. Todos esses componentes fazem com que a linhaça seja considerada um alimento funcional e esteja associada à prevenção de doenças cardiovasculares, à redução do colesterol e da pressão arterial.

Como se não bastasse, ainda são a principal fonte alimentar de lignanas, as quais são compostos fenólicos similares ao estrógeno (hormônio feminino que atua no tecido mamário) e por isso também são chamados de fitoestrógenos. Diferentes estudos têm associado as lignanas à prevenção do câncer de mama. 

E a explicação para essa prevenção está principalmente nas quantidades: a linhaça contem até 800 vezes mais lignana do que a maioria dos alimentos – e esse fitoestrógeno torna-se um poderoso inibidor do estrógeno feminino. Ou seja, esses fitoestrógenos “tomam o lugar” do estrógeno, diminuindo sua atuação e consequentemente o possível risco de desenvolvimento do câncer de mama.

Além disso, as lignanas apresentam ainda atividade antioxidante, inativando os radicais livres e prevenindo o envelhecimento celular. Ou seja, mais uma razão para incluir a linhaça no seu dia-a-dia o quanto antes!

A porção diária ideal é de 1 a 2 colheres de sopa, para dar toda essa forcinha extra à saúde. E para incluí-la na dieta e/ou aumentar seu consumo, é possível adicionar a sementinha ao iogurte, às vitaminas, salpicar em frutas, sopas, saladas, incrementar as receitas feitas em casa (de pães, bolos), etc.

E para quem é vegano (ou esqueceu dos ovos na última visita ao supermercado!), uma dica muito especial: é possível substituir o ovo das receitas pelo “gel de linhaça”. Basta triturar as sementinhas até virarem um pó bem fininho (é possível fazer no liquidificador) e substituir da seguinte forma: para cada ovo que a receita pede, utilizar 1 colher de sopa dessa farinha de linhaça (previamente hidratada em 2 colheres de sopa de água, por uns 10 minutinhos). Simples assim! 

E você também pode dar uma passadinha na Lilóri e conhecer as delícias que preparamos com esse ingrediente pra lá de especial! Dentre essas, temos nossa exclusiva maionese de linhaça, que é colocada no pão na chapa e que também é servida com nossa cesta de pães. Não deixe de experimentar!

 

Daniela Q. Pane

Nutricionista/Engenheira de Alimentos – Lilóri

Mestre e Doutora em Ciência de Alimentos

 

 

Referências bibliográficas:

Adlercreutz, H. Phytoestrogens and breast cancer. Journal of Steroid Biochemistry 83: 113-118, 2003.

Cordeiro, R.; Fernandes, P. L.; Barbosa, L. A. Semente de linhaça e o efeito de seus compostos sobre as células mamárias. Brazilian Journal of Pharmacognosy 19(3): 727-732, Jul./Set. 2009.

Costa, N. M. B.; Rosa, C. O. B. Alimentos funcionais: componentes bioativos e efeitos fisiológicos. 1ª edição. Rio de Janeiro, RJ: Rubio, 2010.

Wang, L.; Chen, J.; Thompsons, L. U. The inhibitory effect of flaxseed on the growth and metastasisof estrogen receptor negative human breast cancer xenograftsis attributed to both its lignan and oil componentes. Cancer Therapy 116 (5): 793-798, 2005

Mason, J. K.; Thompson, L. U. Flaxseed and its lignan and oil components: can they play a role in reducing the risk of and improving the treatment of breast cancer? Applied Physiology, Nutrition and Metabolism 2014 Jun;39(6):663-78.