Chia: a sementinha do bem

Liloripédia

Quem nunca ouviu a famosa frase: “nos menores frascos encontram-se os melhores aromas”??? E se num trocadilho bobo de nutricionista sobre o assunto de hoje eu dissesse que nos menores alimentos encontram-se as melhores fontes nutricionais? Essa é a frase perfeita para a sementinha da qual falarei hoje. Conhecida como um ‘’super alimento’’ pelas civilizações Incas e Maias, a chia nos reserva um banquete de saúde que vem conquistando cada vez mais adeptos e que com certeza veio para ficar.

A chia (Salvia hispânica L.) é uma planta originária das áreas montanhosas do oeste e centro do México. Essa pequena relíquia é encontrada nas cores preta, branca ou acinzentada, cultivada e apreciada desde a antiguidade e tratada como um marco para a cultura dos povos pré-colombianos. A chia ou “força” para eles era consumida como ração de sobrevivência pelos guerreiros em tempos de batalha por proporcionar energia, força e resistência física, além de ser utilizada como moeda e valer mais do que o próprio ouro na época. Entretanto mesmo sendo consumida a séculos, foram nos últimos anos que essa semente ganhou notabilidade por suas incríveis características nutricionais e benefícios a saúde.

Comparada a outros grãos como quinoa, amaranto e linhaça, a chia é disparada uma campeã em nutrição. Rica em proteínas de alto valor biológico (ou seja, bem absorvido pelo corpo) e boa digestibilidade, que compõe entre 19 e 23% do seu peso total e se torna uma ótima opção para complementar a dieta vegetariana por exemplo. Além disso, a chia é uma ótima fonte de vitaminas do complexo B, principalmente a B6, vitamina auxiliar do metabolismo como um todo, especialmente do sistema nervoso e imunológico. Esse grãozinho ainda oferece uma quantidade surpreendente de sais minerais como cálcio, ferro, magnésio, potássio, zinco e fósforo. E tem mais! Muito se fala sobre a grande quantidade de antinutrientes (substâncias que impedem ou reduzem a digestão e absorção dos nutrientes) presentes nos alimentos de origem vegetal. Uma coisa boa da chia é que ela não apresenta antinutrientes nem fatores tóxicos, o que demonstra que sua rica quantidade de nutrientes é absorvida ao máximo!

Essa relíquia nutricional ainda oferece um excelente conteúdo de fibras! A chia é rica num tipo de fibra solúvel denominada mucilagem, capaz de absorver água (mais de 12 vezes o seu peso) e formar um gel pegajoso. No estomago esse gel, faz com que a digestão seja mais lenta, assim o individuo fica satisfeito rapidamente e saciado por mais tempo. Além disso, a fibra regula o funcionamento do intestino, reduz o índice glicêmico das preparações e, limpa o corpo de toxinas! Uma dica aos esportistas: por esta capacidade de reter água a chia é um ótimo alimento para manter o corpo hidratado ainda mais num verão como o nosso!

Mas eu guardei o melhor para o final. A chia é uma das melhores fontes de ômega 3 que existem. Esse nutriente funcional é um poderoso anti-inflamatório, que equilibra os níveis de ômega 6, além de atuar na redução do colesterol e da pressão arterial e fortalecer o funcionamento cerebral, melhorando a memória, a concentração e o humor. A chia é uma fonte inigualável de ômega 3 devido ao seu alto teor de antioxidantes naturalmente presentes, que além de preservar a saúde das células, mantém a estabilidade desse ácido graxo essencial. A oxidação de lipídios é uma grande preocupação, porque além de produzir odores e sabores estranhos (o típico sabor de peixe podre), também favorece o envelhecimento e doenças degenerativas como câncer, disfunções cerebrais, baixa imunológica e doenças cardiovasculares.

Essa sementinha milagrosa deve ser incorporada a sua dieta imediatamente! 25 g ou 2 colheres de sopa é a porção diária recomendada. Adicione essa belezinha em suas preparações ex. iogurte, tapioca, vitamina, sucos e águas aromatizadas. Além disso, sua característica pegajosa, quando em água, pode atuar como um substituto de ovo nas receitas na proporção de 1 colher de sopa de chia para um terço de xícara de água.

Funcional e nutritiva, ela pode ser pequenininha, mas com certeza merece todos os elogios.

Natassia Sacco – Nutricionista estagiária Lilóri
Graduanda em Nutrição pela Faculdade de Saúde Pública - USP

 

Referências:

Ayerza, R. (h). 1995. Oil Contend and Fatty Acid Composition of Chia (Salvia hispánica L.) front Five Northwestern The American Oil Chemists` Society, 72:1079-1081.

AYERZA, R.; COATES, W. Protein content, oil content and fatty acid profiles as potential criteria to determine the origin of commercially grown chia (Salvia hispanica L.) Industrial Crops and Products, v. 34, p. 1366-1371, 2011

Bushway, A.A., A.M. Wilson, L. Houston, and R.J. Bushway.1984.Selected properties of the lipid and protein fractions chia seed. Journal of Food Science, 49:555-557.

CHEUNG, J.S. MORSE, A.A. DOWDY, E.K. MARINO, E.L. BOLSON, P. ALAUPOVIC, J. FROHLICH, and J.J Albers. 2001. Simvastatin and niacion, antioxidant vitamins, or the combination for the prevention of coronary disease. The New England Journal of Medicine, 345 (22): 1583 – 1592.

Chia seed as a Source of Oil, Polysaccharide, and Protein. Bushway, A. A., P. R. Belya, R. J. Bushway. (1981). Journal of FoodScience 46:1349-1356.

JIMENEZ P, Paula; MASSON S, Lilia  y  QUITRAL R, Vilma. Composición química de semillas de chía, linaza y rosa mosqueta y su aporte en ácidos grasos omega-3. Rev. chil. nutr. [online]. 2013, vol.40, n.2 [citado  2015-03-05], pp. 155-160 

The nutritional and chemical evaluation of chia seeds. Weber, C.W., H.S. Gentry, E.A. Kohlhepp, P.R. McCrohan. (1991). Ecology of Food and Nutrition 26:119-125

1. TOSCO, Giovanni. Os benefícios da “chia” em humanos e animais. Atualidades Ornitologicas n. 119, Maio / Junho, 2004. Pg 7. 2. BROWN, G.G., X.Q. ZHAO. A. CHAIT, L.D. FISHER, M.C.