Imprensa

Intolerância ao glúten e dietas da moda criam oportunidades

Valor Econômico, 22 de agosto de 2014.

Clique aqui para ler a matéria

 

Jardins ganha primeira padaria artesanal com produtos sem lactose e sem glúten

Posted on ago 13, 2014

Num charmoso sobrado, uma padaria acolhedora, com fornadas quentinhas de pão com sabor e saúde. Essa é a proposta da padaria e confeitaria Lilóri, que abriu ao público nesta semana, nos Jardins, em São Paulo. A Lilóri inova ao ser a primeira e mais completa padaria nos Jardins a oferecer pães e doces sem glúten, lácteos, proteína de soja e conservantes, além de um empório com produtos gourmets e um agradável espaço para cafés da manhã, brunchs e refeições rápidas. A nova casa foi projetada para atender tanto a consumidores com alergia e/ou intolerância a glúten, proteínas do leite, lactose quanto aqueles que se preocupam com a saúde, a forma física ou simplesmente buscam pães caseiros, feitos de forma artesanal e com gostinho de “comfort food”.

A padaria surgiu de uma vivência pessoal da proprietária, a empresária Mariana Pierre, mãe de filho intolerante ao glúten e alérgico à proteína do leite e à de soja. A proposta é acolher e alimentar aqueles que têm restrições alimentares e que encontram muita dificuldade para achar produtos confiáveis, de qualidade e saborosos, no mercado, que supram as suas necessidades.

O menu variado fica por conta de uma equipe de chefs talentosos tais como Marcelo Facini, especialista em alimentação sem glúten e lácteos, e Jorge Augusto Ferreira, especialista em panificação e confeitaria pela Le Cordon Bleu, de Londres e da engenheira de alimentos Sidmara Malagodi (especializada em Panificação pela Universidade de Leuven, na Bélgica, e em Alimentação Natural pela New York University, EUA), além de receitas próprias e de família.

“Queremos que as pessoas que estão habituadas a comer pães tenham a opção de entrar em uma padaria e comprar seu pão quentinho para levar para casa. Que parem de fazer estoques de pães congelados ou que tenham prazos de validade de meses. Isso é o que mais sentia falta nessa minha jornada com meu filho. Além disso, queremos que as pessoas que não estão acostumadas com esse tipo de alimentação se surpreendam ao experimentarem os produtos da Lilóri por acharem saborosos e com jeitinho de ‘feito em casa’ ou ‘lembra o da minha avó’. Se isso acontecer, estaremos ajudando muitas pessoas a terem uma alimentação saudável”, complementa Mariana.

http://www.guiasaopaulo24horas.com.br/jardins-ganha-primeira-padaria-artesanal-com-produtos-sem-lactose-e-sem-gluten/

Lilóri é inaugurada em São Paulo

Padaria artesanal inova na cidade ao oferecer pães e doces sem glúten, lácteos e conservantes

Uma padaria acolhedora, com fornadas quentinhas de pão com sabor e saúde. Essa é a proposta da padaria e confeitaria Lilóri, que abre ao público nesta semana, nos Jardins, em São Paulo. A Lilóri inova ao ser a primeira e mais completa padaria nos Jardins a oferecer pães e doces sem glúten, lácteos, proteína de soja e conservantes, além de um empório com produtos gourmets e um agradável espaço para cafés da manhã, brunchs e refeições rápidas.


A Lilóri foi projetada para atender tanto a consumidores com alergia e/ou intolerância a glúten, proteínas do leite, lactose quanto aqueles que se preocupam com a saúde, a forma física ou simplesmente buscam pães caseiros, feitos de forma artesanal e com gostinho de "comfort food". O nome da casa foi inspirado numa ave, a Lóris, exótica, de rara beleza, multicolorida e dócil. Símbolo que traduz a ousadia da marca, a liberdade de voo e também o acolhimento e a inclusão social pela alimentação. A proposta da padaria é acolher e alimentar aqueles que têm restrições alimentares e que encontram muita dificuldade para achar produtos confiáveis, de qualidade e saborosos, no mercado, que supram as suas necessidades. Especialmente crianças que já foram privadas, tantas vezes, de bolos ou festinhas entre amigos de escola, porque os pais simplesmente não encontravam alternativas de alimentação. Segundo estudo do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a inc idência de alergias alimentares no mundo cresceu 50% entre 1997 e 2013. Entre as crianças, a situação é ainda pior: na China, os casos dobraram; na Europa, subiram 700% e, no Brasil, estima-se que 2 milhões têm algum tipo de alergia à comida. Os adeptos do movimento gluten-free não param de crescer. Só nos EUA, 28,5% dizem querer reduzir ou eliminar totalmente o glúten da dieta.

A Lilóri surgiu de uma vivência pessoal da proprietária, a empresária Mariana Pierre. Mãe de filho intolerante ao glúten e alérgico à proteína do leite e à de soja, Mariana enfrentou junto com o filho uma batalha por sua saúde, por falta de um diagnóstico preciso e, consequentemente, de uma alimentação adequada. Ela recorreu a médicos, chefs e nutricionistas no Brasil e no exterior. Hoje, o filho, Thiago, de 2 anos e meio, é saudável e Mariana viu, nesse período de luta, seu estoque de receitas especiais crescerem. Resolveu deixar de lado uma bem-sucedida carreira como advogada (com passagens por grandes escritórios de advocacia como Lefosse Advogados e Trench, Rossi e Watanabe Advogados) e transformar sua motivação em um projeto de vida em que pudesse compartilhar os ensinamentos e as receitas dessa experiência. Daí nasceu a Lilóri, de olho nessas necessidades e num mercado crescente no Brasil.


Para isso, Mariana contou com uma equipe de chefs e com a consultoria da engenheira de alimentos Sidmara Malagodi (especializada em Panificação pela Universidade de Leuven, na Bélgica, e em Alimentação Natural pela New York University, EUA), além de receitas próprias e de família. O resultado é um menu amplo e variado, capaz de agradar tanto a quem tem restrições alimentares quanto quem busca um pão caseiro e nutritivo. Os pães têm um processo de fabricação artesanal, sem conservantes, e são assados diariamente. "A Lilóri terá uma cozinha completamente descontaminada de glúten, lácteos e proteína de soja. Os fornecedores de matéria-prima foram rigorosamente selecionados, escolhidos após envio de certificados de testes laboratoriais comprovando que suas matérias-primas não conteriam nenhuma contaminação desses produtos. Não foi uma tarefa fácil, pois nem todos os fornecedores têm conhecimento do que é contaminação cruzada e de como isso pode vir a afetar o p roduto final e seus consumidores. Tivemos também o cuidado de contar com chefs, tais como Marcelo Facini, especialista em alimentação sem glúten e lácteos, e Jorge Augusto Ferreira, especialista em panificação e confeitaria pela Le Cordon Bleu, de Londres, para que a padaria pudesse oferecer uma experiência gastronômica especial, capaz de transformar um simples pão na chapa num motivo para encontro entre amigos", explica a empresária Mariana Pierre, sócia da Lilóri.

"Queremos que as pessoas que estão habituadas a comer pães tenham a opção de entrar em uma padaria e comprar seu pão quentinho para levar para casa. Que parem de fazer estoques de pães congelados ou que tenham prazos de validade de meses. Isso é o que mais sentia falta nessa minha jornada com meu filho. Além disso, queremos que as pessoas que não estão acostumadas com esse tipo de alimentação se surpreendam ao experimentarem os produtos da Lilóri por acharem saborosos e com jeitinho de 'feito em casa' ou 'lembra o da minha avó'. Se isso acontecer, estaremos ajudando muitas pessoas a terem uma alimentação saudável", complementa Mariana.
Tarefa que fica mais fácil com um amplo menu, que é composto por pães variados (italiano, ciabata, australiano, de forma e até uma versão de pão de "queijo", o "Mineirinho"), sanduíches (queijo vegano com zuchini e shitake, baba ganoush e pesto de rúcula), tapiocas, bolos (chocolate com avelã, coco com especiarias, limão com amêndoas, fubá com goiabada), cookies, minipizzas (cogumelos provençal, veggie e caprese), hambúrgueres funcionais, como a versão da casa, o Hambúrguer Lilóri (grão-de-bico, semente de abóbora e quinoa). Salgados, pães, petiscos ou doces que podem ser apreciados entre um expresso e outro, chás e sucos detox da casa, em combinações como as de maçã, pepino, gengibre, menta e limão siciliano ou beterraba, cenoura, maçã e limão siciliano. Além da padaria, a Lilóri terá um empório, com cerca de 30 produtos, metade deles de fabricação e marca própria (farinhas, pastas de avelã) e outros nacionais e importados (como cervejas sem glúten, vinhos e refrigerantes orgânicos). Quem quiser também pode levar os salgados para casa. Há a versão congelada de pizzas e quiches, em embalagens prontas para a viagem.


O glúten ajuda muito na fabricação do pão, tanto que a qualidade do trigo é medida pela quantidade dele. Como fazer um pão crescer sem glúten? "O desenvolvimento do nosso pão levou quase um ano. O segredo é achar a combinação correta das farinhas, tempo de fermentação e cocção", explica a empresária Mariana Pierre. Todos os pães de forma da Lilóri levam farinha de painço, cereal alcalino que possui baixa quantidade de gorduras e um alto teor de fibras solúveis e insolúveis, o que favorece a saciedade.
Para a substituição do leite, uma das soluções encontradas na Lilóri foi a biomassa de banana verde. A biomassa é considerada uma espécie de remédio natural, um prebiótico, capaz de melhorar a imunidade, trazer saciedade, ativar a serotonina e regular o intestino, fazendo-o funcionar como um relógio.


Num charmoso sobrado, a Lilóri tem ambiente acolhedor e familiar. A ideia é receber clientes e amigos e transformar um simples café da manhã, um brunch ou um chá da tarde em celebração à vida e à saúde, com uma divertida mesa comunitária. Refeições balanceadas, saborosas e com nutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo. Menu que funciona, nutre e aquece a alma.

Serviço:

Lilóri Pães e Doces
www.lilori.com.br
Rua Peixoto Gomide, 1486
CEP 01409-003 - Jardins - São Paulo - SP
Tels. 11 3064-0516 e 3064-0547
Capacidade: 25 lugares
Horário de funcionamento:
De terça a sexta-feira, das 8h às 20h; sábado, das 9h às 19h e domingo das 9h às 16h.
Fecha às segundas-feiras.
CC: American Express, Diners, Mastercard e Visa
CD: Mastercard Maestro, Redeshop, Visa Electron.
Não aceita cheques nem Ticket-Refeição.
Não aceita reservas.
Não serve couvert.
Não tem área para fumantes, nem área externa.
Não tem estacionamento próprio.
Serviço de valet: R$ 20.
Tem ar-condicionado, wi-fi, acesso e banheiro para deficientes físicos.
Possui cadeirões para bebês.
Não é pet-friendly.
Faz entregas em domicílio.

Informações à imprensa
SG Comunicação & Imagem
www.sheilagrecco.com
Josi Kersul / redacao@sheilagrecco.com
Sheila Grecco / sheila@sheilagrecco.com
Tel.: 11 3284-6074 / 9 9944-9497

http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,693477,Lilori_e_inaugurada_em_Sao_Paulo,693477,6.htm

Padaria artesanal inova na cidade ao oferecer pães e doces sem glúten, lácteos e conservantes

13/08/2014

Bolo Floresta Negra da Lilóri – Sabor e Saúde – Fotos:Tadeu Brunelli

Lilóri é inaugurada em São Paulo

Padaria artesanal inova na cidade ao oferecer pães e doces sem glúten, lácteos e conservantes

Uma padaria acolhedora, com fornadas quentinhas de pão com sabor e saúde. Essa é a proposta da padaria e confeitaria Lilóri, que abre ao público nesta semana, nos Jardins, em São Paulo. A Lilóri inova ao ser a primeira e mais completa padaria nos Jardins a oferecer pães e doces sem glúten, lácteos, proteína de soja e conservantes, além de um empório com produtos gourmets e um agradável espaço para cafés da manhã, brunchs e refeições rápidas.

A Lilóri foi projetada para atender tanto a consumidores com alergia e/ou intolerância a glúten, proteínas do leite, lactose quanto aqueles que se preocupam com a saúde, a forma física ou simplesmente buscam pães caseiros, feitos de forma artesanal e com gostinho de “comfort food”. O nome da casa foi inspirado numa ave, a Lóris, exótica, de rara beleza, multicolorida e dócil. Símbolo que traduz a ousadia da marca, a liberdade de voo e também o acolhimento e a inclusão social pela alimentação. A proposta da padaria é acolher e alimentar aqueles que têm restrições alimentares e que ou festinhas entre amigos de escola, porque os pais simplesmente não encontravam alternativas de alimentação. Segundo estudo do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a inc idência de alergias alimentares no mundo cresceu 50% entre 1997 e 2013. Entre as crianças, a situação é ainda pior: na China, os casos dobraram; na Europa, subiram 700% e, no Brasil, estima-se que 2 milhões têm algum tipo de alergia à comida. Os adeptos do movimento gluten-free não param de crescer. Só nos EUA, 28,5% dizem querer reduzir ou eliminar totalmente o glúten da dieta.

A Lilóri surgiu de uma vivência pessoal da proprietária, a empresária Mariana Pierre. Mãe de filho intolerante ao glúten e alérgico à proteína do leite e à de soja, Mariana enfrentou junto com o filho uma batalha por sua saúde, por falta de um diagnóstico preciso e, consequentemente, de uma alimentação adequada. Ela recorreu a médicos, chefs e nutricionistas no Brasil e no exterior. Hoje, o filho, Thiago, de 2 anos e meio, é saudável e Mariana viu, nesse período de luta, seu estoque de receitas especiais crescerem. Resolveu deixar de lado uma bem-sucedida carreira como advogada (com passagens por grandes escritórios de advocacia como Lefosse Advogados e Trench, Rossi e Watanabe Advogados) e transformar sua motivação em um projeto de vida em que pudesse compartilhar os ensinamentos e as receitas dessa experiência. Daí nasceu a Lilóri, de olho nessas necessidades e num mercado crescente no Brasil.

Para isso, Mariana contou com uma equipe de chefs e com a consultoria da engenheira de alimentos Sidmara Malagodi (especializada em Panificação pela Universidade de Leuven, na Bélgica, e em Alimentação Natural pela New York University, EUA), além de receitas próprias e de família. O resultado é um menu amplo e variado, capaz de agradar tanto a quem tem restrições alimentares quanto quem busca um pão caseiro e nutritivo. Os pães têm um processo de fabricação artesanal, sem conservantes, e são assados diariamente. “A Lilóri terá uma cozinha completamente descontaminada de glúten, lácteos e proteína de soja. Os fornecedores de matéria-prima foram rigorosamente selecionados, escolhidos após envio de certificados de testes laboratoriais comprovando que suas matérias-primas não conteriam nenhuma contaminação desses produtos. Não foi uma tarefa fácil, pois nem todos os fornecedores têm conhecimento do que é contaminação cruzada e de como isso pode vir a afetar o p roduto final e seus consumidores. Tivemos também o cuidado de contar com chefs, tais como Marcelo Facini, especialista em alimentação sem glúten e lácteos, e Jorge Augusto Ferreira, especialista em panificação e confeitaria pela Le Cordon Bleu, de Londres, para que a padaria pudesse oferecer uma experiência gastronômica especial, capaz de transformar um simples pão na chapa num motivo para encontro entre amigos”, explica a empresária Mariana Pierre, sócia da Lilóri

“Queremos que as pessoas que estão habituadas a comer pães tenham a opção de entrar em uma padaria e comprar seu pão quentinho para levar para casa. Que parem de fazer estoques de pães congelados ou que tenham prazos de validade de meses. Isso é o que mais sentia falta nessa minha jornada com meu filho. Além disso, queremos que as pessoas que não estão acostumadas com esse tipo de alimentação se surpreendam ao experimentarem os produtos da Lilóri por acharem saborosos e com jeitinho de ‘feito em casa’ ou ‘lembra o da minha avó’. Se isso acontecer, estaremos ajudando muitas pessoas a terem uma alimentação saudável”, complementa Mariana.

Tarefa que fica mais fácil com um amplo menu, que é composto por pães variados (italiano, ciabata, australiano, de forma e até uma versão de pão de “queijo”, o “Mineirinho”), sanduíches (queijo vegano com zuchini e shitake, baba ganoush e pesto de rúcula), tapiocas, bolos (chocolate com avelã, coco com especiarias, limão com amêndoas, fubá com goiabada), cookies, minipizzas (cogumelos provençal, veggie e caprese), hambúrgueres funcionais, como a versão da casa, o Hambúrguer Lilóri (grão-de-bico, semente de abóbora e quinoa). Salgados, pães, petiscos ou doces que podem ser apreciados entre um expresso e outro, chás e sucos detox da casa, em combinações como as de maçã, pepino, gengibre, menta e limão siciliano ou beterraba, cenoura, maçã e limão siciliano. Além da padaria, a Lilóri terá um empório, com cerca de 30 produtos, metade deles de fabricação e marca própria (farinhas, pastas de avelã) e outros nacionais e importados (como cervejas sem glúten, vinhos e refrigerantes orgânicos). Quem quiser também pode levar os salgados para casa. Há a versão congelada de pizzas e quiches, em embalagens prontas para a viagem.

O glúten ajuda muito na fabricação do pão, tanto que a qualidade do trigo é medida pela quantidade dele. Como fazer um pão crescer sem glúten? “O desenvolvimento do nosso pão levou quase um ano. O segredo é achar a combinação correta das farinhas, tempo de fermentação e cocção”, explica a empresária Mariana Pierre. Todos os pães de forma da Lilóri levam farinha de painço, cereal alcalino que possui baixa quantidade de gorduras e um alto teor de fibras solúveis e insolúveis, o que favorece a saciedade.

Para a substituição do leite, uma das soluções encontradas na Lilóri foi a biomassa de banana verde. A biomassa é considerada uma espécie de remédio natural, um prebiótico, capaz de melhorar a imunidade, trazer saciedade, ativar a serotonina e regular o intestino, fazendo-o funcionar como um relógio.

Num charmoso sobrado, a Lilóri tem ambiente acolhedor e familiar. A ideia é receber clientes e amigos e transformar um simples café da manhã, um brunch ou um chá da tarde em celebração à vida e à saúde, com uma divertida mesa comunitária. Refeições balanceadas, saborosas e com nutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo. Menu que funciona, nutre e aquece a alma.

Serviço:

Lilóri Pães e Doces

www.lilori.com.br

Rua Peixoto Gomide, 1486

CEP 01409-003 – Jardins – São Paulo – SP

Tels. 11 3064-0516 e 3064-0547

Capacidade: 25 lugares

Horário de funcionamento:

De terça a sexta-feira, das 8h às 20h; sábado, das 9h às 19h e domingo das 9h às 16h.

Fecha às segundas-feiras.

CC: American Express, Diners,  Mastercard e Visa

CD: Mastercard Maestro, Redeshop, Visa Electron.

Não aceita cheques nem Ticket-Refeição.

Não aceita reservas.

Não serve couvert.

Não tem área para fumantes, nem área externa.

Não tem estacionamento próprio.

Serviço de valet: R$ 20.

Tem ar-condicionado, wi-fi, acesso e banheiro para deficientes físicos.

Possui cadeirões para bebês.

Não é pet-friendly.

Faz entregas em domicílio.

http://uiarazagolin.com.br/padaria-artesanal-inova-na-cidade-ao-oferecer-paes-e-doces-sem-gluten-lacteos-e-conservantes/

Lilóri é inaugurada em São Paulo

Uma padaria acolhedora, com fornadas quentinhas de pão com sabor e saúde. Essa é a proposta da padaria e confeitaria Lilóri, que abre ao público nesta semana, nos Jardins, em São Paulo. A Lilóri inova ao ser a primeira e mais completa padaria nos Jardins a oferecer pães e doces sem glúten, lácteos, proteína de soja e conservantes, além de um empório com produtos gourmets e um agradável espaço para cafés da manhã, brunchs e refeições rápidas.

A Lilóri foi projetada para atender tanto a consumidores com alergia e/ou intolerância a glúten, proteínas do leite, lactose quanto aqueles que se preocupam com a saúde, a forma física ou simplesmente buscam pães caseiros, feitos de forma artesanal e com gostinho de comfort food. O nome da casa foi inspirado numa ave, a Lóris, exótica, de rara beleza, multicolorida e dócil. Símbolo que traduz a ousadia da marca, a liberdade de voo e também o acolhimento e a inclusão social pela alimentação. A proposta da padaria é acolher e alimentar aqueles que têm restrições alimentares e que encontram muita dificuldade para achar produtos confiáveis, de qualidade e saborosos, no mercado, que supram as suas necessidades. Especialmente crianças que já foram privadas, tantas vezes, de bolos ou festinhas entre amigos de escola, porque os pais simplesmente não encontravam alternativas de alimentação. Segundo estudo do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a inc idência de alergias alimentares no mundo cresceu 50% entre 1997 e 2013. Entre as crianças, a situação é ainda pior: na China, os casos dobraram; na Europa, subiram 700% e, no Brasil, estima-se que 2 milhões têm algum tipo de alergia à comida. Os adeptos do movimento gluten-free não param de crescer. Só nos EUA, 28,5% dizem querer reduzir ou eliminar totalmente o glúten da dieta.

A Lilóri surgiu de uma vivência pessoal da proprietária, a empresária Mariana Pierre. Mãe de filho intolerante ao glúten e alérgico à proteína do leite e à de soja, Mariana enfrentou junto com o filho uma batalha por sua saúde, por falta de um diagnóstico preciso e, consequentemente, de uma alimentação adequada. Ela recorreu a médicos, chefs e nutricionistas no Brasil e no exterior. Hoje, o filho, Thiago, de 2 anos e meio, é saudável e Mariana viu, nesse período de luta, seu estoque de receitas especiais crescerem. Resolveu deixar de lado uma bem-sucedida carreira como advogada (com passagens por grandes escritórios de advocacia como Lefosse Advogados e Trench, Rossi e Watanabe Advogados) e transformar sua motivação em um projeto de vida em que pudesse compartilhar os ensinamentos e as receitas dessa experiência. Daí nasceu a Lilóri, de olho nessas necessidades e num mercado crescente no Brasil.

Para isso, Mariana contou com uma equipe de chefs e com a consultoria da engenheira de alimentos Sidmara Malagodi (especializada em Panificação pela Universidade de Leuven, na Bélgica, e em Alimentação Natural pela New York University, EUA), além de receitas próprias e de família. O resultado é um menu amplo e variado, capaz de agradar tanto a quem tem restrições alimentares quanto quem busca um pão caseiro e nutritivo. Os pães têm um processo de fabricação artesanal, sem conservantes, e são assados diariamente. A Lilóri terá uma cozinha completamente descontaminada de glúten, lácteos e proteína de soja. Os fornecedores de matéria-prima foram rigorosamente selecionados, escolhidos após envio de certificados de testes laboratoriais comprovando que suas matérias-primas não conteriam nenhuma contaminação desses produtos. Não foi uma tarefa fácil, pois nem todos os fornecedores têm conhecimento do que é contaminação cruzada e de como isso pode vir a afetar o p roduto final e seus consumidores. Tivemos também o cuidado de contar com chefs, tais como Marcelo Facini, especialista em alimentação sem glúten e lácteos, e Jorge Augusto Ferreira, especialista em panificação e confeitaria pela Le Cordon Bleu, de Londres, para que a padaria pudesse oferecer uma experiência gastronômica especial, capaz de transformar um simples pão na chapa num motivo para encontro entre amigos, explica a empresária Mariana Pierre, sócia da Lilóri.

Queremos que as pessoas que estão habituadas a comer pães tenham a opção de entrar em uma padaria e comprar seu pão quentinho para levar para casa. Que parem de fazer estoques de pães congelados ou que tenham prazos de validade de meses. Isso é o que mais sentia falta nessa minha jornada com meu filho. Além disso, queremos que as pessoas que não estão acostumadas com esse tipo de alimentação se surpreendam ao experimentarem os produtos da Lilóri por acharem saborosos e com jeitinho de ‘feito em casa’ ou ‘lembra o da minha avó’. Se isso acontecer, estaremos ajudando muitas pessoas a terem uma alimentação saudável, complementa Mariana.
Tarefa que fica mais fácil com um amplo menu, que é composto por pães variados (italiano, ciabata, australiano, de forma e até uma versão de pão de queijo, o Mineirinho), sanduíches (queijo vegano com zuchini e shitake, baba ganoush e pesto de rúcula), tapiocas, bolos (chocolate com avelã, coco com especiarias, limão com amêndoas, fubá com goiabada), cookies, minipizzas (cogumelos provençal, veggie e caprese), hambúrgueres funcionais, como a versão da casa, o Hambúrguer Lilóri (grão-de-bico, semente de abóbora e quinoa). Salgados, pães, petiscos ou doces que podem ser apreciados entre um expresso e outro, chás e sucos detox da casa, em combinações como as de maçã, pepino, gengibre, menta e limão siciliano ou beterraba, cenoura, maçã e limão siciliano. Além da padaria, a Lilóri terá um empório, com cerca de 30 produtos, metade deles de fabricação e marca própria (farinhas, pastas de avelã) e outros nacionais e importados (como cervejas sem glúten, vinhos e refrigerantes orgânicos). Quem quiser também pode levar os salgados para casa. Há a versão congelada de pizzas e quiches, em embalagens prontas para a viagem.

O glúten ajuda muito na fabricação do pão, tanto que a qualidade do trigo é medida pela quantidade dele. Como fazer um pão crescer sem glúten? O desenvolvimento do nosso pão levou quase um ano. O segredo é achar a combinação correta das farinhas, tempo de fermentação e cocção, explica a empresária Mariana Pierre. Todos os pães de forma da Lilóri levam farinha de painço, cereal alcalino que possui baixa quantidade de gorduras e um alto teor de fibras solúveis e insolúveis, o que favorece a saciedade.
Para a substituição do leite, uma das soluções encontradas na Lilóri foi a biomassa de banana verde. A biomassa é considerada uma espécie de remédio natural, um prebiótico, capaz de melhorar a imunidade, trazer saciedade, ativar a serotonina e regular o intestino, fazendo-o funcionar como um relógio.

Num charmoso sobrado, a Lilóri tem ambiente acolhedor e familiar. A ideia é receber clientes e amigos e transformar um simples café da manhã, um brunch ou um chá da tarde em celebração à vida e à saúde, com uma divertida mesa comunitária. Refeições balanceadas, saborosas e com nutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo. Menu que funciona, nutre e aquece a alma.

Serviço:

Lilóri Pães e Doces
www.lilori.com.br
Rua Peixoto Gomide, 1486
CEP 01409-003 – Jardins – São Paulo – SP
Tels. 11 3064-0516 e 3064-0547
Capacidade: 25 lugares
Horário de funcionamento:
De terça a sexta-feira, das 8h às 20h; sábado, das 9h às 19h e domingo das 9h às 16h.
Fecha às segundas-feiras.
CC: American Express, Diners, Mastercard e Visa
CD: Mastercard Maestro, Redeshop, Visa Electron.
Não aceita cheques nem Ticket-Refeição.
Não aceita reservas.
Não serve couvert.
Não tem área para fumantes, nem área externa.
Não tem estacionamento próprio.
Serviço de valet: R$ 20.
Tem ar-condicionado, wi-fi, acesso e banheiro para deficientes físicos.
Possui cadeirões para bebês.
Não é pet-friendly.
Faz entregas em domicílio.

Informações à imprensa
SG Comunicação & Imagem
www.sheilagrecco.com
Josi Kersul / redacao@sheilagrecco.com
Sheila Grecco / sheila@sheilagrecco.com
Tel.: 11 3284-6074 / 9 9944-9497

http://brasileconomia.com.br/lilori-e-inaugurada-em-sao-paulo.html

Lilóri é inaugurada em São Paulo

Uma padaria acolhedora, com fornadas quentinhas de pão com sabor e saúde. Essa é a proposta da padaria e confeitaria Lilóri, que abre ao público nesta semana, nos Jardins, em São Paulo. A Lilóri inova ao ser a primeira e mais completa padaria nos Jardins a oferecer pães e doces sem glúten, lácteos, proteína de soja e conservantes, além de um empório com produtos gourmets e um agradável espaço para cafés da manhã, brunchs e refeições rápidas.

A Lilóri foi projetada para atender tanto a consumidores com alergia e/ou intolerância a glúten, proteínas do leite, lactose quanto aqueles que se preocupam com a saúde, a forma física ou simplesmente buscam pães caseiros, feitos de forma artesanal e com gostinho de comfort food. O nome da casa foi inspirado numa ave, a Lóris, exótica, de rara beleza, multicolorida e dócil. Símbolo que traduz a ousadia da marca, a liberdade de voo e também o acolhimento e a inclusão social pela alimentação. A proposta da padaria é acolher e alimentar aqueles que têm restrições alimentares e que encontram muita dificuldade para achar produtos confiáveis, de qualidade e saborosos, no mercado, que supram as suas necessidades. Especialmente crianças que já foram privadas, tantas vezes, de bolos ou festinhas entre amigos de escola, porque os pais simplesmente não encontravam alternativas de alimentação. Segundo estudo do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a inc idência de alergias alimentares no mundo cresceu 50% entre 1997 e 2013. Entre as crianças, a situação é ainda pior: na China, os casos dobraram; na Europa, subiram 700% e, no Brasil, estima-se que 2 milhões têm algum tipo de alergia à comida. Os adeptos do movimento gluten-free não param de crescer. Só nos EUA, 28,5% dizem querer reduzir ou eliminar totalmente o glúten da dieta.

A Lilóri surgiu de uma vivência pessoal da proprietária, a empresária Mariana Pierre. Mãe de filho intolerante ao glúten e alérgico à proteína do leite e à de soja, Mariana enfrentou junto com o filho uma batalha por sua saúde, por falta de um diagnóstico preciso e, consequentemente, de uma alimentação adequada. Ela recorreu a médicos, chefs e nutricionistas no Brasil e no exterior. Hoje, o filho, Thiago, de 2 anos e meio, é saudável e Mariana viu, nesse período de luta, seu estoque de receitas especiais crescerem. Resolveu deixar de lado uma bem-sucedida carreira como advogada (com passagens por grandes escritórios de advocacia como Lefosse Advogados e Trench, Rossi e Watanabe Advogados) e transformar sua motivação em um projeto de vida em que pudesse compartilhar os ensinamentos e as receitas dessa experiência. Daí nasceu a Lilóri, de olho nessas necessidades e num mercado crescente no Brasil.

Para isso, Mariana contou com uma equipe de chefs e com a consultoria da engenheira de alimentos Sidmara Malagodi (especializada em Panificação pela Universidade de Leuven, na Bélgica, e em Alimentação Natural pela New York University, EUA), além de receitas próprias e de família. O resultado é um menu amplo e variado, capaz de agradar tanto a quem tem restrições alimentares quanto quem busca um pão caseiro e nutritivo. Os pães têm um processo de fabricação artesanal, sem conservantes, e são assados diariamente. A Lilóri terá uma cozinha completamente descontaminada de glúten, lácteos e proteína de soja. Os fornecedores de matéria-prima foram rigorosamente selecionados, escolhidos após envio de certificados de testes laboratoriais comprovando que suas matérias-primas não conteriam nenhuma contaminação desses produtos. Não foi uma tarefa fácil, pois nem todos os fornecedores têm conhecimento do que é contaminação cruzada e de como isso pode vir a afetar o p roduto final e seus consumidores. Tivemos também o cuidado de contar com chefs, tais como Marcelo Facini, especialista em alimentação sem glúten e lácteos, e Jorge Augusto Ferreira, especialista em panificação e confeitaria pela Le Cordon Bleu, de Londres, para que a padaria pudesse oferecer uma experiência gastronômica especial, capaz de transformar um simples pão na chapa num motivo para encontro entre amigos, explica a empresária Mariana Pierre, sócia da Lilóri.

Queremos que as pessoas que estão habituadas a comer pães tenham a opção de entrar em uma padaria e comprar seu pão quentinho para levar para casa. Que parem de fazer estoques de pães congelados ou que tenham prazos de validade de meses. Isso é o que mais sentia falta nessa minha jornada com meu filho. Além disso, queremos que as pessoas que não estão acostumadas com esse tipo de alimentação se surpreendam ao experimentarem os produtos da Lilóri por acharem saborosos e com jeitinho de ‘feito em casa’ ou ‘lembra o da minha avó’. Se isso acontecer, estaremos ajudando muitas pessoas a terem uma alimentação saudável, complementa Mariana.
Tarefa que fica mais fácil com um amplo menu, que é composto por pães variados (italiano, ciabata, australiano, de forma e até uma versão de pão de queijo, o Mineirinho), sanduíches (queijo vegano com zuchini e shitake, baba ganoush e pesto de rúcula), tapiocas, bolos (chocolate com avelã, coco com especiarias, limão com amêndoas, fubá com goiabada), cookies, minipizzas (cogumelos provençal, veggie e caprese), hambúrgueres funcionais, como a versão da casa, o Hambúrguer Lilóri (grão-de-bico, semente de abóbora e quinoa). Salgados, pães, petiscos ou doces que podem ser apreciados entre um expresso e outro, chás e sucos detox da casa, em combinações como as de maçã, pepino, gengibre, menta e limão siciliano ou beterraba, cenoura, maçã e limão siciliano. Além da padaria, a Lilóri terá um empório, com cerca de 30 produtos, metade deles de fabricação e marca própria (farinhas, pastas de avelã) e outros nacionais e importados (como cervejas sem glúten, vinhos e refrigerantes orgânicos). Quem quiser também pode levar os salgados para casa. Há a versão congelada de pizzas e quiches, em embalagens prontas para a viagem.

O glúten ajuda muito na fabricação do pão, tanto que a qualidade do trigo é medida pela quantidade dele. Como fazer um pão crescer sem glúten? O desenvolvimento do nosso pão levou quase um ano. O segredo é achar a combinação correta das farinhas, tempo de fermentação e cocção, explica a empresária Mariana Pierre. Todos os pães de forma da Lilóri levam farinha de painço, cereal alcalino que possui baixa quantidade de gorduras e um alto teor de fibras solúveis e insolúveis, o que favorece a saciedade.
Para a substituição do leite, uma das soluções encontradas na Lilóri foi a biomassa de banana verde. A biomassa é considerada uma espécie de remédio natural, um prebiótico, capaz de melhorar a imunidade, trazer saciedade, ativar a serotonina e regular o intestino, fazendo-o funcionar como um relógio.

Num charmoso sobrado, a Lilóri tem ambiente acolhedor e familiar. A ideia é receber clientes e amigos e transformar um simples café da manhã, um brunch ou um chá da tarde em celebração à vida e à saúde, com uma divertida mesa comunitária. Refeições balanceadas, saborosas e com nutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo. Menu que funciona, nutre e aquece a alma.

Serviço:

Lilóri Pães e Doces
www.lilori.com.br
Rua Peixoto Gomide, 1486
CEP 01409-003 – Jardins – São Paulo – SP
Tels. 11 3064-0516 e 3064-0547
Capacidade: 25 lugares
Horário de funcionamento:
De terça a sexta-feira, das 8h às 20h; sábado, das 9h às 19h e domingo das 9h às 16h.
Fecha às segundas-feiras.
CC: American Express, Diners, Mastercard e Visa
CD: Mastercard Maestro, Redeshop, Visa Electron.
Não aceita cheques nem Ticket-Refeição.
Não aceita reservas.
Não serve couvert.
Não tem área para fumantes, nem área externa.
Não tem estacionamento próprio.
Serviço de valet: R$ 20.
Tem ar-condicionado, wi-fi, acesso e banheiro para deficientes físicos.
Possui cadeirões para bebês.
Não é pet-friendly.
Faz entregas em domicílio.

Informações à imprensa
SG Comunicação & Imagem
www.sheilagrecco.com
Josi Kersul / redacao@sheilagrecco.com
Sheila Grecco / sheila@sheilagrecco.com
Tel.: 11 3284-6074 / 9 9944-9497

http://refrescante.com.br/lilori-e-inaugurada-em-sao-paulo.html

Padaria Lilóri - São Paulo-SP

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Já pensou em chegar a uma padaria e poder comer de tudo o que tem por lá, sem medo de contaminação cruzada? Pois então, este lugar existe e atende pelo nome de Lilóri.

Localizada na região dos Jardins, em São Paulo (travessa da Avenida Paulista), a recém inaugurada padaria sem glúten, sem lactose e sem conservantes, tem diversos tipos de pães (em formato de baguetes), tortas doces, salgadas, bolos e tudo isto em um ambiente muito acolhedor.

Você pode pedir pão na chapa, chocolate quente feito com leite de amêndoas e chocolate Belga, ou se esbaldar no brunch (comer à vontade todos os produtos servidos no café da manhã por um preço fixo).

O valor do brunch é de R$ 43,00.

Se bater uma vontade de comer pão australiano ou o pão Lilóri, é só ligar com até 48h de antecedência para receber estes produtos fresquinhos em sua casa.

Veja abaixo, fotos do local, dos produtos e sobretudo, do rostinho feliz da minha filha ao poder comer tudo o que estava exposto.

Site da Padaria: http://www.lilori.com.br/padoca

http://soucriancaceliaca.blogspot.com.br/2014/08/padaria-lilori-sao-paulo-sp.html

Dicas de Restaurantes que têm opções sem glúten

Publicado em 1 de agosto de 2014

Não resisti…Reportagem do Estadão.

Ótimas dicas de restaurantes com opções sem glúten em SP :)

Dica: ligar antes de ir, pois nem sempre os dados estão corretos! Sempre é bom checar antes.

Não contém glúten, mas é bom!

por Gabriel Perline

Selecionamos pratos e quitutes que não contêm glúten – e acredite, você nem vai sentir falta dele

Para os celíacos, parar de comer alimentos com glúten é questão de saúde. Mas, recentemente, muitos deixaram de consumir a proteína – presente em cereais como trigo, aveia, cevada e malte – pensando em perder peso. Polêmicas à parte (leia abaixo opinião de uma nutricionista), o Divirta-se foi atrás de pratos e quitutes sem glúten. Vale para passar uma refeição (ou um dia) sem ele, ou só como desculpa para provar receitas deliciosas, como essa massa de milho com pernil acebolado, da foto acima, servida noSabores de Mi Tierra (R. Lisboa, 971, Pinheiros, 3083-3114).

Você já deve ter ouvido que tirar o glúten da alimentação ajuda a eliminar quilinhos extras em pouco tempo. Isso pode até acontecer. Mas a supervisora de Nutrição do Hospital 9 de Julho, Renata Garrido, alerta que ele não é o vilão das dietas. “O glúten não é o responsável pelo ganho de peso, mas, sim, o excesso de produtos que contêm a proteína, como pães, cervejas, biscoitos”, explica. Antes de vetar o glúten, Renata indica sempre consultar um médico. “Precisamos conhecer nossas reais necessidades, considerando mudanças que proporcionem qualidade de vida e bom resultado”, diz.

Acha difícil passar um dia inteiro sem comer glúten? Para mostrar que isso pode ser fácil (e saboroso) montamos um roteiro com refeições para quatro momentos diferentes

Para começar bem o dia – sem abrir mão de um pãozinho – vá à Diaita. Na padaria, há opções como de feijão preto com cebola e de lentilha (R$ 2,40, cada). De fabricação própria, o biscoito de azeitona e orégano é ótimo para o lanche antes do almoço. O cardápio da casa, todo sem glúten e leite, tem ainda uma pizza brotinho de ricota e caponata de banana verde (R$ 8,70), feita com massa de grão-de-bico. R. Pe. Luciano, 122, Jd. França, 2548-7550.

No Banana Verde, a lasanha (R$ 31; foto) ganhou uma releitura criativa: no lugar da massa feita com farinha de trigo, são usados palmito pupunha e abobrinha. Tudo isso recheado com queijo, castanhas e tomates marinados no manjericão. De sobremesa, cheesecake feito com fava de baunilha, goiabada cascão e amora (R$ 16). R. Harmonia, 278, V. Madalena, 3814-4828.

Entre os deliciosos e delicados doces da confeitaria Lu Bonometti Biscotti & Dolcezzehá quatro sabores de biscoitos livres de glúten: pistache, avelã, amêndoa e gianduia (R$ 2,40, cada). Apesar de não revelar a receita, a casa garante que não utiliza farinha de trigo, lactose ou corantes no preparo desses quitutes. Al. Joaquim Eugênio de Lima, 1.728, Jd. Paulista, 3384-5818.

O francês Le Vin propõe algumas boas sugestões para você encerrar seu ‘dia sem glúten’ bem satisfeito. Uma delas é o cassoulet tradicional, preparado com feijão branco cozido e lascas de pato confitado (R$ 58). Se preferir carne vermelha, escolha o filé mignon grelhado com molho de mostarda e batatas gratinadas (R$ 68). De sobremesa, peça a sopa de morango com sorvete de baunilha (R$ 18). R. Armando Penteado, 25, Consolação, 3668-7400.

Espaguete de abobrinha, fondue de tapioca e sopa de trigo sarraceno são alguns dos bons pratos que não têm glúten. Fique à vontade para pedir – e repetir!

Adepta da dieta sem glúten, a chef Flávia Marioto criou várias opções sem a proteína para a Mercearia do Conde. Entre as criações, estão o espaguete de grão-de-bico à ‘Laab Gai’ – inspirado na culinária tailandesa -, com frango, amendoim, cebola, molho de peixe e alho (R$ 48). O mesmo espaguete também é servido com molho de tomate, rúcula e muçarela de búfala (R$ 46). Outra sugestão é o ‘Atum Tartar em Tapioca com Wasabi’ (R$ 42). R. Joaquim Antunes, 217, Jd. Paulistano, 3081-7204.

Ana Luiza Trajano tem muitos pratos sem glúten no Brasil a Gosto, como a ‘Pescada Amarela Grelhada com Crosta de Baru’, feita com tapioca flocada e servida com purê de banana-da-terra e vinagrete de laranja-lima (R$ 89); e a ‘Rabada no Tucupi com Creme de Mandioca’ (R$ 89). R. Prof. Azevedo Amaral, 70, Jd. Paulista, 3086-3565.

No Éclat, o espaguete com camarões, castanha de caju e redução de tangerina teve a massa tradicional substituída pela abobrinha, cortada em finas tiras (R$ 35,90; foto). R. Marcos Lopes, 180, V. Nova Conceição, 2337-8810. 

O Maíz tem cardápio totalmente adaptado para celíacos. Entre as muitas opções, ‘Chicharrones de Porco com Batatinhas Salgadas e Salsa Verde’ (R$ 14,50) e empanadas de carne com aji de abacate (R$ 6). Para beber, peça a Magner Berry, cidra irlandesa feita com pera e frutas vermelhas (R$ 11,50). R. Mateus Grou, 472, Pinheiros, 3034-6551.

Sob o comando do chef Rodrigo Gonçalves, o Forneria San Paolo prepara o ‘Scalope de Filetto’, que traz fatias de filé mignon acompanhadas de fettuccine ao creme de leite, manteiga, parmesão, sal, pimenta e noz-moscada (R$ 63). A massa é preparada com farinhas de milho e arroz. R. Amauri, 319, Jd. Europa, 3078-0099.

O chef Cesar Augusto Jafet fez adaptações no cardápio da recém-inaugurada Sta. Maricota e reinventou o ‘Buraco Quente’. Ali, o pão francês é sem glúten e leva um generoso recheio de carne moída temperada (R$ 22, seis unidades). Também monta pratos como o peixe St. Peter ao pesto de nozes e manjericão (R$ 42) e o peito de frango ao molho de mel e mostarda com legumes sauté (R$ 38). Al. Campinas, 1.289, Jd. Paulista, 3569-1289.

Obs. Fui ao restaurante Sta. Maricota e houve um engano na reportagem. Na verdade, eles não tem opções sem glúten no cardápio. Quase fui embora, mas conversei com o chef, expliquei os cuidados e os ingredientes que não posso comer e ele fez um risoto especialmente para mim. Super atenciosos. Porém, a reportagem comeu bola! 

O peixe amazônico grelhado do Le Manjue é mesclado com arroz cateto bicolor, pequi, castanha de caju e espinafre (R$ 51). De sobremesa, é difícil resistir à fondue de macadâmia, feita com massa de banana verde, tapioca, vinho branco, cachaça, alecrim e orégano (R$ 88). Para mergulhar no creme, você pode optar pelo pão sem glúten ou grissini de polvilho, ambos preparados na casa. R. Domingos Fernandes, 608, V. Nova Conceição, 3034-0631.

Para o festival de inverno do restaurante Dona Carmela, a chef Nadia Campeotto preparou três sopas que não possuem glúten ou lactose em suas receitas, como a de lentilha com trigo sarraceno (R$ 23,99). Já o creme de alho poró com batata doce é enriquecido com uma massa de banana verde (R$ 23,99). A terceira opção servida é a sopa de abóbora com gengibre (R$ 23,99). R. Dr. César, 944, Santana, 2283-2458.

No Figo, uma das boas invenções é o espaguete de pupunha, feito à carbonara com presunto cru, espinafre e tomate cereja (R$ 56). Outra opção é o atum com crosta de gergelim, cogumelo, ervilha e cebola ao vinho branco, servido com vinagrete de gengibre, limão-cravo e mel (R$ 56). R. Diogo Jacome, 372, V. Nova Conceição, 3044-3193.

No Chácara Itaí, a massa do penne – que vem reforçado com tomate-cereja, abobrinha, rúcula e semente de girassol – é feita com farinha de arroz. O prato pode ser servido em dois tamanhos (R$ 23,90, o pequeno; R$ 34, o grande) e chega à mesa acompanhado de salada. R. Min. Jesuíno Cardoso, 104, V. Nova Conceição, 3842-0782.

Eleita a melhor chef do mundo, Helena Rizzo prepara no Maní a porção ‘Falsos Tortéis’, que tem massa de pupunha e abóbora, recheada com melão, amêndoas, parmesão e manteiga de sálvia (R$ 61). Já o nhoque é feito com massa de mandioquinha e araruta com caldo de tucupi (R$ 40). R. Joaquim Antunes, 210, Pinheiros, 3085-4148.

Muitos doces levam ingredientes com glúten em suas receitas. Mas dá pra encontrar boas opções que são livres da proteína – entre elas, brigadeiros, cupcakes, sorvetes…

Mesclando as farinhas de arroz e de caju, a Confeitaria da Luana criou sua linha de doces sem glúten, preparados sob encomenda, que além da ótima aparência, são deliciosos. Carro-chefe da casa, o cupcake sai por R$ 7,50. Ao fazer o pedido, é possível escolher entre vários sabores, como o de chocolate (foto). Faz também brownie (R$ 7,50) e bolos recheados e decorados (a partir de R$ 100, para dez pessoas). R. Mourato Coelho, 583, Pinheiros, 3031-7199.

Frequentada pelos moderninhos da região, a padaria Santo Pão agrada pelo sabor de seus produtos. Entre as opções sem glúten, vale provar as tapiocas de leite condensado com coco (R$ 12) e de queijo com goiabada (R$ 13). R. Pe. João Manuel, 968, Jd. Paulista, 2309-5594.

A filial brasileira da Ladurée, fundada em Paris em 1862, importa da matriz todos os macarons servidos em sua delicada vitrine, inclusive a linha livre de glúten. A receita leva farinha de amêndoas, responsável pelo aspecto aerado do doce. E são várias as opções de sabores: caramelo (foto), chocolate, flor de laranjeira, pistache, pétala de rosa, baunilha e framboesa (R$ 9,50, cada).Shopping JK Iguatemi. Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2.041, Itaim Bibi, 3152-6028.

Dos ótimos sorvetes feitos pela rede argentina Freddo, 21 deles são livres de glúten – como o de banana split, que leva creme de banana com pedacinhos de chocolate, e o de chocolate (foto). As famosas variações de doce de leite (tradicional, granizado, tentação e vauquita) também não possuem a proteína nas receitas. Duas bolas custam R$ 12,90. R. Normandia, 22, Moema, 3562-1654.

A Maria Brigadeiro faz mais de 30 versões do doce, quase todas sem glúten – como os sabores tradicional, chocolate branco, flor de sal, cachaça artesanal e amêndoa de cacau (R$ 3,75, cada). Tem também o ‘brigadeiro quente’ (R$ 24,50, 100g), que ao ser aquecido no micro-ondas, fica cremoso como se tivesse acabado de sair da panela. R. Capote Valente, 68, Pinheiros, 3087-3687.

Alguns quitutes tradicionalmente feitos com farinha de trigo – como pizza e esfiha – também ganharam versões alternativas. Pode aproveitar!

Dos mesmos sócios do Obá, a recém-inaugurada taquería La Sabrosa – especializada em tacos mexicanos – tem uma lista suculenta de recheios. Entre eles, o ‘Alambre’ (R$ 17; foto), com dois tacos montados em tortilhas de milho com carne grelhada, bacon, cebola, pimentão, queijo e salsa verde. Outra opção curiosa é a ‘Tostada de Ceviche Colimeño’ (R$ 14), tortilha de milho com guacamole e ceviche (peixe, cebola, cenoura, tomate, chile e azeitona). R. Augusta, 1.474, Consolação, 2924-6989.

Na lista das boas esfihas do árabe Baruk também tem opção sem glúten. No lugar da farinha de trigo, o restaurante faz a massa com polvilho doce, arroz e fécula de batata – deixando o sabor bem próximo ao da versão original. Por enquanto, o recheio disponível é só o de carne (R$ 7,90). Al. Raja Gabaglia, 160, V. Olímpia. 3045-9999.

“Observamos a pouca oferta de pizza sem glúten e criamos a ‘brotinho veggie’, com biomassa de banana verde e chia, recheada com berinjela, pimentão, abobrinha e parmesão vegano (R$ 25,10)”, diz Jorge Augusto Ferreira, chef da padaria Lilóri, que tem inauguração prevista para o dia 10/8 (R. Peixoto Gomide, 1.486, Jd. Paulista, 3064-0516).

A Madame Brigadeiro usa farinha integral de arroz em sua quiche de espinafre e cenoura, que chega à mesa acompanhada de salada (R$ 16,90). R. Bartira, 427, Perdizes, 3804-4722.

Bastante requisitada no The Gourmet Tea, a porção de bolinho de tapioca com queijo é feita na airfryer, ou seja, é frita sem óleo (R$ 16,90). Já o ‘Padi Thai’ é preparado com macarrão de arroz e leva cenoura, cogumelos, ervilha, castanha de caju ao molho de ostras e shoyu (R$ 37,80). R. Mateus Grou, 89, Pinheiros, 2936-4814.

(http://blogs.estadao.com.br/divirta-se/nao-contem-gluten-mas-e-bom/)

 

http://menusemgluten.wordpress.com/2014/08/01/dicas-de-restaurantes-que-tem-opcoes-sem-gluten/

 

Padaria com produtos sem glúten e lactose é inaugurada nos Jardins

Dedicado exclusivamente aos pães e doces preparados sem conservantes, novo estabelecimento abre no dia 10 de agosto (http://vejasp.abril.com.br/materia/padaria-produtos-sem-gluten-lactose-jardins?utm_source=redesabril_vejasp&utm_medium=facebook&utm_campaign=vejasp)

Previsto para inaugurar dia 10 de agosto, teremos uma padaria e confeitaria especialmente dedicada aos pães e doces isentos de glúten e lactose.

Localizada nos Jardis, à Rua peixoto Gomide, a LILÓRI prevê também um empório com produtos de sua própria fabricação.

Aguardamos por aqui!

http://glutenfreegourmetsp.blogspot.com.br/2014/07/novidade-na-cidade.html

Jardins ganha padaria cool que une o saudável ao delicioso

Extraído de: glamurama.uol epop   Agosto 09, 2014

Padaria que não entra glúten. Essa é a proposta da Lilóri, que abre nos Jardins neste sábado. Além do glúten, também estão fora do cardápio lácteos, proteína de soja e conservantes. Mas isso não impede que receitas como pizza, bolo floresta negra, brownie e outras guloseimas entrem na lista de opções da nova padaria artesanal. A Lilóri ainda tem um empório com produtos gourmet e opções para refeições rápidas, tipo vapt-vupt! Vai lá! Rua Peixoto Gomide, 1486.

http://www.fofoki.com/noticias/jardins-ganha-padaria-cool-une-saudavel-delicioso

Páginas